Jaime Neves? 25 de Novembro? Agradeçam a Otelo:

R. – Apesar de haver já nessa altura muitos contactos com oficiais de vários lados, com o grupo dos Nove, com civis dos partidos, o 25 de Novembro passou por uma unha negra: quando se quebra a disciplina militar e a cadeia de comando, ninguém sabe a quem obedecer. Mesmo o Jaime Neves – uma das figuras de proa – só devia confiar em meia dúzia de homens! E um dos responsáveis pelo sucesso desse 25 de Novembro foi o Otelo.

P. – Como assim?

R. – Porque foi ele que reintegrou o Jaime Neves nos Comandos. Ele fora saneado por um grupúsculo de extremistas – e mais uma vez os que o apoiavam ficaram paralisados! – mas quando depois disso o Otelo vai à Amadora e, chegando à conclusão de que afinal quase todos queriam o Jaime Neves de volta, reintegra-o… Se ele não o tem feito, estou certo de que o 25 de Novembro não teria ocorrido nem naquela data, nem daquela maneira.

(aqui)

FNV

Anúncios

9 thoughts on “Jaime Neves? 25 de Novembro? Agradeçam a Otelo:

  1. balde-de-cal diz:

    Calvão sabe do que fala na entrevista. estava a viver na Cité quando da invasão da Guiné (71). na tv apareceu um Guineense anti-Sekou a reivindicar para o seu grupo o assalto ao palácio presidencial.
    não dá para entender Otelo. andavam todos com os esfincters relaxados.
    fico em dívida com o General Neves

  2. fnvv diz:

    Otelo é um personagem muito interessante, porque brutalmente contraditório. Tenho o livro dele e a biografia do Filipe Moura e dezenas de depoimentos, mas ainda há muito para explicar.

  3. André diz:

    … de onde se conclui que Otelo é um banana e com mau gosto em matéria de mulheres.

  4. caramelo diz:

    Filipe, só agora entre nós, ou nem isso, porque não sei se isto já te saiu do radar, temos então que o Jaime Neves foi promovido a herói nacional pela imprensa do left bias ;). A direita (ou alguma direita) precisa muito de heróis militares e o último foi o Nuno Alvares Pereira, e portanto achou agora outro condestável. Noutro plano, o Eanes, no seu elogio fúnebre, não só elogia as suas qualidades de comando e a devoção dos seus subordinados (parece que é pacifico), como lhe inventou consciência politica contra o regime anterior, e ainda um papel preponderante no 25 de Abril (onde “borregou”, pondo a operação em risco). Isto não tem a ver com direita ou esquerda, tem a ver com a cultura de camaradagem militar, pelo que dar relevo a elogios fúnebres de um militar a outro militar (parece que colegas de colégio militar, ainda por cima), vale o que vale.
    Muito mais interessante e complexo do que o Jaime Neves, e mais decisivo no próprio 25 de Novembro, terá sido o Otelo e, por exemplo, o Vasco Lourenço, que agora é tratado como bêbado e ridicularizado por ainda usar cravos vermelhos na lapela. A este, que teve no início disto tudo, no comando político militar, não só operacional (no 25.A, mas também no 25.N), ninguém se lembra de propor uma estátua à frente do campo pequeno, ou sequer um busto. Curiosamente, ou talvez não, o Vasco Lourenço, apesar de ter ficado aborrecido com a promoção do Jaime Neves ao generalato, e de, com razão, ter colocado os pontos nos ís quanto ao seu papel no 25.4 e relativizado a sua influência no 25.N, reconhece-lhe capacidade de comando e minimiza mesmo o seu papel no célebre massacre de wiriamu. (li isso nos últimos dias, mas perdi o link)
    Sobre o Otelo, talvez não seja tão brutalmente contraditório como isso. Lendo com cuidados de intérprete o que já se escreveu sobre o PREC, o que se escreveu sobre ele, e sobretudo lendo-o a ele, talvez consigamos compreende-lo melhor e ligar algumas pontas soltas, iluminar algumas zonas negras, e talvez até fazer-lhe alguma justiça, ou pelo menos um juízo mais definitivo sobre ele, negativo ou não. Talvez um dia se faça verdadeira História, recolhendo tudo o que existe por aí. Que não seja o Henrique Raposo em mais uma versão de “história politicamente incorreta”, para adolescentes imbecis, é só o que eu desejo.
    Se gostares tanto de colecionar papelitos como eu, talvez já conheças esta interessante entrevista do Otelo:
    http://www.espoliadosultramar.com/ip21.html

    • fnvv diz:

      Vou ver se tenho, voltaremos a isso sem dúvida.

    • Caramelo, deixo aqui um excerto de um depoimento de Vasco Lourenço sobre Jaime Neves que corrobora o que afirma no seu comentário:
      «(…)
      1.Durante uma comissão em Moçambique, como comandante do Batalhão de Comandos, viu-se apanhado no escândalo de Wiriamu.
      Tendo sido uma das suas companhias que praticou os massacres que deram origem a esse escândalo, apesar de não ter qualquer relação directa com o que se passou, viu-se utilizado como bode expiatório, juntamente com o comandante da Zona, o brigadeiro Videira.
      (…)
      Quanto ao 25 de Novembro, onde teve uma importante e decisiva intervenção, confirmando ser um bom combatente, contou sempre com um bom enquadramento e uma mão forte que o segurou, quando, como já referi, “queria sangue, a todo o custo”! Queria “tratar da saúde aos comunistas, como vinha reclamando há bastante tempo…
      (…)»

      Ligação para o depoimento na íntegra: http://luisalvesdefraga.blogs.sapo.pt/68092.html

  5. caramelo diz:

    Foi isso mesmo que eu li, Carlos, obrigado!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: