Antes fosse? (3)

Continuam os ecos do atentado de Boston. No Canadá, foram detidos dois suspeitos de prepararem um ataque ao comboio entre Toronto e Nova Iorque. Imigrantes, relativamente jovens (30 e 35 anos), qualificados, um deles investigador universitário. Desconhece-se a nacionalidade de Chiheb Esseghaier e Raed Jaser, mas teráo sido apoiados pela Al-Qaeda iraniana. E lá está, de novo, o ódio à América.
Repete-se, portanto, o famoso padrão: muçulmanos aparentemente integrados na sociedade ocidental, mas entregues a um ressentimento que os leva ao terrorismo. Porquê?
Insisto na pergunta. E fazê-la não é racismo, é pensar na integração de todos os muçulmanos. Por uma questão de liberdade e não apenas de segurança, se quisermos retomar a dicotomia equívoca de Benjamin Franklin. O sentimento de insegurança costuma ser o atalho mais curto para a perda de liberdades.
Não é só na Europa dos anos 30. Ontem mesmo, também a polícia espanhola prendeu um argelino e um marroquino que, segundo o Público, “não integram qualquer célula terrorista, mas frequentavam sites com conteúdo radical islâmico”. Nou Medouini e Hassan El Jaaouani estavam sob investigação policial há um ano e foram presos, dizem as fontes oficiais, “por precaução” e por terem “um perfil” semelhante ao dos bombistas de Boston.
Por outras palavras, a sua prisão está relacionada com o que aconteceu do outro lado do Atlântico. Duvido que isto seja legal: num estado de direito, ninguém pode ser preso sem culpa formada. É o princípio do habeas corpus (o Professor Espada explica). “Precaução” e “perfil” não eram motivo de culpa na Inglaterra da Magna Carta e não são na Europa do século XXI. Mas quando não há culpados, todos se tornam suspeitos. A democracia é uma flor mais frágil do que parece.

PP

Anúncios

5 thoughts on “Antes fosse? (3)

  1. caramelo diz:

    Pedro, tal como acontece com o Corão, o The Federalist Papers (ou até só a constituição americana) também é usado por muitos para legitimar a insurreição contra o estado americano e, no limite, a explosão de uma sua agência governamental. É considerar que o terrorismo praticado por islâmicos tem uma especificidade em relação a outros, que justifica (e tem justificado) um princípio especial de precaução contra cidadãos americanos que professam a religião islâmica e a técnica do “perfil”, que vai contra todos os princípios do direito e de um estado democrático.
    De qualquer maneira, se o estabelecimento de uma politica criminal estivesse dependente da resposta a essa pergunta, que não levanta grandes dificuldades, já teríamos o caso resolvido. O que é que deveria fazer então a América com a resposta a essa pergunta?

  2. ppicoito diz:

    Atenção: não foi na América que isto aconteceu, foi em Espanha. Os americanos já têm Guantánamo, que o Obama disse que ia fechar, mas não fechou porque dá muito jeito. Aí tem a resposta.

    • Fernando Cardoso Virgílio Ferreira diz:

      Caro Pedro, é o que dá a Espanha ter sido Al-Andalus (e Portugal Al-Gharb Al-Andalus): “precaução e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém”…
      E se o islamismo (não o Islão) for, em singelo, incompatível com a democracia?
      Como escreveu em tempos o Prof. António Marques Bessa (ISCSP/UTL), os pobres deste mundo já têm uma religião simplificada para justificar a sua revolta.

      • caramelo diz:

        “precaução e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém”

        hã, cof cof, é que parece que sim, que faz mal a alguém… não é? Mas então,por uma questão de precaução, não seria melhor chamar já o Carlos Martel e instaurar de seguida o sacro império romano germânico (pera aí…). Como dizia o outro, às vezes m’espanto, outras vezes m’envergonho.

  3. caramelo diz:

    Eu reparei que era em Espanha. E Guantanamo continua a dar um jeitão, sim. Mesmo que o Obama quisesse (não quer), o congresso não autorizaria o fecho. Se medidas tão soft como as recentes na proposta da lei das armas não passaram, iria passar uma coisa dessas? Há princípios básicos que têm de continuar a ser respeitados: não impedirás a compra de armas de assalto por psicopatas, manterás suspeitos sem acusação e julgamento numa prisão militar por tempo indeterminado, e… não comprarás charutos cubanos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: