Parsifal no Midwest (2)

Uma amostra da densidade de Malick pode encontrar-se logo nas cenas iniciais da Essência do Amor. Um casal percorre, em descapotável e em patente estado de felicidade romântica, a estrada que conduz ao Mont Saint Michel, o célebre mosteiro na costa da Normandia que os franceses conhecem por la merveille.

To_the_Wonder_Terrence_Malick_04 Ela vive em França com a filha, fruto de um anterior casamento, e ele é um americano de passagem, saberemos mais tarde. O filme, que começa com os dois em Paris, nunca nos dá a conhecer os seus nomes, nem como se apaixonaram, nem o que fazem ali, mas a sinopse diz que a mulher, interpretada por Olga Kirulenko,  se chama Marina e o homem, interpretado por Ben Affleck, se chama Neil. In media res, visitam o mítico local no pico do romance.  O título original do filme está já aqui: To the Wonder é o caminho que os leva à “maravilha”.

Mas a maravilha não é só o cenário paradisíaco do amor – é  o próprio amor. E este paraíso, por sua vez, cita outros paraísos, perdidos ou em vias de se perder pela inexorável marcha de uma tragédia grega, na filmografia anterior de Malick:

days-of-heaven-16

a bucólica e isolada mansão no meio da pradaria, em Days of Heaven, antes da praga de gafanhotos e do homicídio do patrão/marido;

la_ligne_rouge_a_chacun_sa_guerre_the_thin_red_line_1997_portrait_w858

a ilha tropical em que se esconde o soldado desertor, em harmonia com os homens e as coisas, antes de ser apanhado e devolvido ao absurdo da guerra;

The-New-World-2005-Newa aldeia índia em que o conquistador europeu, longe dos seus companheiros, conhece e ama a princesa nativa, antes da separação e do posterior afastamento de ambos;

The_Tree-of-Life_Terrence_Malick_still_photo_23   a casa da família em The Tree of Life, cheia de deslumbramento e paz antes da morte do irmão e do fracasso do pai.

A associação entre amor, casa, natureza e inocência, por um lado, e violência, separação, orgulho e castigo, por outro, constitui um thopos literalmente central no cinema de Malick. O espaço e o tempo fluem entre esses pólos opostos.  De algum modo, os seus filmes são sempre variantes do mesmo tema: a expulsão do paraíso.

As citações, no entanto, não ficam por aqui e evocam os mais vastos recursos da alta cultura  para dar sentido(s) a narrativa. A própria referência ao Mont Saint Michel pode entender-se como uma citação. São Miguel, segundo a tradição cristã, é o chefe da milícia dos anjos. No início dos tempos, derrota Lucífer e lança no inferno os demónios, anjos caídos, como mostra uma iluminuras do Livro de Horas do Duque de Berry (c. 1410) em que se vê precisamente o monte do qual é padroeiro  e o diabo sob a forma de um dragão.

saintmichelducdeberry São Miguel guarda as portas do céu e pesa as almas dos mortos no juízo final, abrindo o paraíso aos eleitos e precipitando os condenados no abismo, cena que conhece inúmeras versões na arte cristã, entre as quais a seguinte, de Hans Memling, por volta de 1470.

440px-Das_Jüngste_Gericht_(Memling)O Mont Saint Michel remete, portanto, para as ideias de ascensão e paraíso. A cosmologia medieval, de resto, situa por vezes o jardim do Éden no alto de uma montanha, tradição de que a Divina Comédia de Dante se faz eco ao localizar  o paraíso no cume do purgatório, um monte pelo qual as almas sobem através da purificação (ou purgação). Em 1465, Domenico di Michelino representava assim o  universo dantesco, com o monte do purgatório ao fundo, encimado pelo jardim de Adão e Eva, e o poeta cá em baixo, entre as portas do inferno e as portas de Florença.

mount-purgatory-dante-5219Tal como as almas ascendem ao céu subindo uma montanha purificadora, tanto no sentido físico como simbólico, também o percurso de Marina e Neil no Mont Saint Michel é ascensional. Eles sobem à merveille (To the Wonder…) por degraus estreitos e íngremes como os círculos do purgatório de Dante, entre paredes milenares e arcos de pedra que simbolizam a eternidade do verdadeiro amor,

to_the_wonder_2abraçando-se e contemplando a paisagem encantada que os separa do resto do mundo, espaço exterior à sua felicidade,

To_the_Wonder_Terrence_Malick_07até atingirem a igreja, banhada pela luz celeste que entra por altos vitrais, e o claustro, jardim fechado que os une e encerra no círculo do desejo mútuo, símbolo edénico de um amor ao mesmo tempo nascido da graça e da natureza. (E atenção a este paradoxo caro a Malick, uma das chaves do filme.) Eis Adão e Eva antes do pecado original. O amor é um regresso ao momento da criação, uma ascensão rumo ao espanto renovado diante da maravilha – to the wonder. É Inverno, está frio e cinzento, a terra ficou para trás e as águas cercam o paraíso, mas o que a sequência nos transmite é o calor da paixão e a beleza do universo, porque tudo vemos pelos olhos de quem ama.  (cont.)

PP

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: