Sem grandes merdas, é isto.

Tomás Vasques:

Esta história dos contratos swap, celebrados pelas empresas públicas com os bancos, tem muito que se lhe diga e ainda a procissão vai no adro. Mas, há duas ilações evidentes e de leitura imediatas: primeira, a maior parte destes contratos foi celebrada quando os socialistas eram governo. Mas, pelos vistos, quem os assinava, na maior parte dos casos, era gente do PSD, o que dá razão a quem fala no “bloco central de interesses”. Já caíram 3 membros do actual governo e ainda falta cair quem parece tratar os swaps por tu – a ministra das Finanças; segunda, o dinheiro que o governo já entregou aos bancos para pôr termo a alguns destes contratos é, de longe, superior aos 700 milhões que vai cortar aos pensionistas com este novo saque da “convergência dos regimes”, o que significa que parte das pensões dos reformados vai pagar uma parte destes regabofes financeiros. Este caso – o dos contratos swap – é um dos exemplos que mostram bem a origem do empobrecimento da maioria dos portugueses.

Ler também Ana Sá Lopes: “A ministra mentiu vergonhosamente”. O advérbio é hiperbólico, por atribuir a faculdade do embaraço a quem nunca manifestou sintomas dessa incomodativa moléstia.

Luis M. Jorge

Anúncios

34 thoughts on “Sem grandes merdas, é isto.

  1. A vergonha é nossa, por a termos como ministra, e não dela. Se ela soubesse o que isso é, já há muito que tinha deixado de ser ministra.

  2. Jorg diz:

    A correlação entre os custos dos “swaps” e a “convergência dos regimes” é do calibre daquela que ouvi num debate de bola, onde se interligava a exibição do marfim da prima do mestre de obra com aquele sorriso na obra prima do mestre.
    Assim na mesma linha de pensamento – é fácil, não cansa – o cirugião de autópsias é um estripador, ou o cirugião de transplantes trafica orgãos humanos. Só pode, com tanto sangue, tripa á mistura.

    Junta-lhe o BPN, as vivendas da Coelha – só essas.. -, o Duarte Lima e a internacional Banca neoliberal – fássista e está arrumada a questão do ‘empobrecimento’ da malta.
    Assim fosse ….

    Sobre a ministra, nem vale a pena – aqui até a jacobinada do “Público” ajuda, em noticia de hoje, a mostrar – a quem quiser perceber – como é que no sector empresarial do Estado se brincava a aprendiz de feiticeiro e se dissimulava patifaria ou desenrascanço perante as ordens politicas que diziam á malta – desemerdem-se, sub-orçamentem e não chateiem. Nada que já não se intuísse, como mostraram, a seu tempo, as objecções do tribunal de contas, que se fartou de perguntar como é que aparecia tanto cabrito sem existirem cabras no curral. O Prof. Teixeira, lembram-se, dizia então que em PT não se faziam negócios com produtos “complexos”e o alcaide da capital, ás quintas á noite, não se cansava de repetir que tudo o que estava a acontecer era a concretização do pesadelo do Abraracourcix – estava o Pais brihantemente a contemplar o futuro radioso, mesmo acossado pelos soldados do império, e de repente, cai-nos o céu na cabeça, por causa dos ‘amaricanos’ – mais a malta do BPN e das vivendas da Coelha, porventura a Sra. Merkel, etc.

    As mentiras a sério, da tralha sem vergonha,ou pelo menos enleada na lenga-lenga da época não tem, nem tiveram tanto esganiço, mesmo aqui do Sr. Prof. Vasques. Se não é laranjada, “Tudo desliza e se apaga numa indiferença descontraída”…

    Boa Noite e boa sorte,

  3. XisPto diz:

    Tomás Vasques escreve o óbvio, um caso típico de bloco central, sem inocentes.
    Agora, a Ana Sá Lopes, por favor, daquela verdade cristalina pretende extrair cirurgicamente um culpada. Faz lembrar aqueles feiticeiros que no meio de um grande chinfrim enterram a mão no paciente em transe até extraírem a pedra dos rins! Então a tese socrática não é que, a haver problemas com os swaps, isso era responsabilidade dos gestores porque eles respeitam muito a autonomia de gestão e não querem fazer de big brothers? Qual aprovação pela tutela qual carapuça (“não há cacau, os v/ défices não entram no do Estado, endividem-se no mercado, nós damos aval, nunca falei disto, quero lá saber da taxa de juro, não chateiem. Come-se aqui bem, não acha?”.
    O que esta colagem habilidosa de textos não explica é como sem autorização pela tutela há responsabilidade de quem emite um parecer no meio da cadeira de decisão.

    • XisPto diz:

      cadeia de decisão

    • Não é uma culpada. É uma mentirosa. E não foi preciso extrair o coração a ninguém para o concluir.

      • XisPto diz:

        A “mentira” (1) dela sobre o conteúdo de uma reunião com outra pessoa (é isso, não é?) é rigorosamente da mesma natureza das “mentiras” diárias e permanentes dos políticos (1), nomeadamente nas intervenções na comissão de inquérito e na formulação da própria acusação de que mentiu, e isso, para mim (vai ficar seguramente chocado porque até concordo que não se pode mentir numa daquelas comissões, mas já fui contaminado pela retórica do Bernardino Soares) não é o verdadeiramente importante neste assunto. O que é importante (e está a ficar completamente obscurecido pelo ruído intencional) é com foi possível serem celebrados (alguns) contratos com cláusulas inadmissíveis. Devíamos estar a falar de desorçamentação, falha de mecanismos de controle, estado de necessidade financeira, incompetência de alguns gestores, violação de boas práticas de gestão, dolo comercial pela banca, e também devíamos estar a procurar indícios que permitissem passar algumas matérias para um inquérito judicial, pois convém verificar se alguns gestores públicos do bloco central são unicamente incompetentes.
        Sobre (1), basta ler JPP sobre as várias formas da mentira em política e FNV sobre o facto incontroversos de que os homens e os políticos mentem. Não me peça para regredir à situação infantil de descobrir que o mundo não é puro e angelical.

      • Quando vejo gente a acumular muita coisa pergunto sempre o que tentará esconder. No seu caso: uma ministra não mente ao Parlamento. É simples.

        Outra coisa simples: uma ministra que se envolveu em contratos Swap não pode avaliar esses contratos quando a coisa corre mal.

        Terceiro: para introduzir toda a responsabilização processual que preconiza é preciso primeiro estar disposto a responsabilizar alguém. E ali temos uma responsável.

      • XisPto diz:

        Sem acumular muita coisa: então é assim, nada quero esconder, aspiro só à verdade. Há swaps bons e há swaps maus. Por mim, pode fuzilar a ministra já, seria um passo em frente na consolidação da democracia.

      • Há mentiras boas e mentiras más? talvez. Estas custam 1500 milhões de euros.

      • XisPto diz:

        Não. Está a caricaturar o que eu disse, ou pretendi dizer, admito as m/ limitações, não sou profissional de publicidade enganosa e quanto a colagens prefiro as do Cézanne. Numa comissão não se mente. Não vejo provado que a senhora mentiu quanto à questão inicial. Vamos ver quanto às novas alegações. Quanto ao spin socrático, Almerindo Marques esse dinossauro do bloco central desde o tempo do Marcelo Caetano, portanto acima de qualquer suspeita, confirmou que não fazia swaps sem autorização da tutela. Surpreendentemente, o alzheimer torna o seu depoimento credível e, como com Borges, não devemos ter pruridos em dize-lo pois também resolveu morrer de botas calçadas. Os membros dos CA depõem na comissão, sem indignação visível, dizendo que isso dos swaps era com o director financeiro, eles assinavam as actas depois, sem ler. Temos que confiar uns nos outros, não é?

      • Miguel diz:

        XisPto, demitir, demitir a ministra, vá repita: demitir a ministra. Não é fuzilar a ministra. Demitir a ministra. Porquê? Porque mentiu ao Parlamento. O mundo não é angelical, é verdade, há mentira e os políticos mentem. Por essa razão é que, em certas situações, os ministros devem ser demitidos. Quando mentem ao Parlamento sobre questões factuais perante uma comissão de inquérito, por exemplo. Se o mundo fosse angelical ninguém pensaria em demitir uma ministra. Já agora vá ao tribunal prestar falso testemunho e quando for desmascarado diga ao juiz para não ser ingénuo que o que há mais por aí é mentira. Isso é que era de homem — mais do que de XisPto.

      • Jorg diz:

        O IGCP não estava mandatado para emitir pareceres sobre contratação de produtos derivados. Esta falta de mandato já recorreu nestas “narrativas” de enxovalho, não tanto como esforço para perceber, responsabilizar e precaver, mas porque assim se julgava ir podendo safar o coiro a muita malta e se inspirava as prosas como as de ficcionistas como a do Prof. Doutor Vasques.

        Aliás, julgo que em plena campanha eleitora, em Maiol de 2011, a então futura secretária de Estado terá tentado recolher informações sobre a gestão de risco do sector empresarial do Estado – vão lá ver o que aconteceu, que algo se aprende sobre como a coisa funcionava….

        Entretanto, também não é mentira nenhuma, nem comporta incompetência profissional, irresponsabilidade e má-fé politica, que ao “fazer a folha” entregue ao então ministro Gaspar, se informou devidamente com aturada fundamentação técnica o estado da arte dos “Swaps… Pois, as manchas na pele da girafa sâo problemas de figado, só pode….

        Ou seja, neste particular, topa-se bem a corja mentirosa a tentar safar o coiro, mas dá grande jeito andar a ensinar e pregar moral á ministra…

        Boa Noite e Boa Sorte

      • Leiam o post do Filipe, que explica bem estas merdas.

        Foi uma esperteza saloia, um tiro pela culatra.

        Queriam apanhar os chuchas e foram apanhados. Azar.

        Mas entre a chico-espertice e o azar lixaram-se, porque uma alta responsável governamental decidiu mentir ao parlamento para fazer o gosto ao patrão.

        Isto no tempo do Sócas dava direito a horas e horas de indignação selectiva, de entrevistazinhas insidiosas do Crespo, de manifs à porta da Assembleia. Ainda me lembro de ver por lá o Moita de Deus a tratar da vida enquanto protestava contra os “ataques à liberdade de imprensa”.

        Agora parece que temos de pôr as iniquidades e os ataques “em perspectiva”. Chegou a hora de “sermos filósofos”. Já dei para esse campeonato:

        http://vidabreve.wordpress.com/2012/05/31/pensemos-filosoficamente/

      • Miguel diz:

        “Foi uma esperteza saloia, um tiro pela culatra.

        Queriam apanhar os chuchas e foram apanhados.”

        Indeed. E houve quem a aconselhasse a não tentar a esperteza exactamente por causa de tudo isto que tem vindo a público.

  4. Carlos Duarte diz:

    Caro Luís Jorge,

    Repito o que já disse há alguns tempos (por altura da nomeação da Ministra):

    Ou ela sabia dos swaps, e era mentirosa, ou não sabia / compreendia, e era incompetente. Tanto um como o outro deveriam desqualifica-la do cargo.

  5. jj.amarante diz:

    Assim como durante muitos anos e bons não vou acreditar no que diz o governo americano, também durante muitos anos e bons não vou acreditar no PSD nem no CDS. As mentiras do PS parecem-me agora petas infantis perante esta quantidade maciça de mentiras da coligação governamental. E fiquei a conhecer o estofo moral dos que chamavam Pinóquio ao Sócrates que agora se mantêm calados ou pior ainda, tentam justificar ou disfarçar, este festival de aldrabices. A M.L.Albuquerque chegou à fase do Kenneth Lay, assinava de cruz, o culpado era o outro menino.

    • ” E fiquei a conhecer o estofo moral dos que chamavam Pinóquio ao Sócrates que agora se mantêm calados ou pior ainda, tentam justificar ou disfarçar, este festival de aldrabices. A M.L.Albuquerque chegou à fase do Kenneth Lay, assinava de cruz, o culpado era o outro menino.”

      Bem apanhado. É impressionante como o mundo muda.

      • fnvv diz:

        Não muda , não, infelizmente. Esses continuarão sempre. E sabemos onde lê-los, não é Luís?

      • Jorg diz:

        O problema desde o principio é que os Kenneth Lays estão ‘elsewhere’,,,, Sonsos, sem vergonha e mentirosos, e desculpando-se com o “Zeitgeist”.,,,

      • caramelo diz:

        Sim, jorg, acontece tudo elsewere e sabe-se lá o que se passa nesse reino das trevas, porque a imprensa colaboracionista nem nos permite saber. Só se sabe que vem de lá cheiro a enxofre. E andam a entreter-nos com brincadeiras como o BPN, que é um banco do monopólio (que é mais um milhão, menos um milhão em notas a fingir surrupiado pelos meninos, comparado com a economia real?), e outros casos menores como as mentiritas e meias verdaditas da menina luisinha. Um dos seus tutores já disse: não digam em público que a menina mentiu, que isso é crime.
        O que mais me chateia nisto tudo não são as mentiras da ministra, é a esquizofrenia. A austeridade, a exigência, a honestidade e as máximas morais todas do almanaque de santa zita,. parece que servem para uns, mas não servem para outros. A nossa direita não consegue manter a espinha direita? O que é que fizeram aos nossos bravos, castigadores e justos, reserva moral da nação? Os que me cortam no rendimento ou aplaudem e ainda me dão sermões, entretanto dispensáveis, sobre bifes, que me enfiam as mãos pela goela para vomitar os bifes que comi, são os mesmos que acorrem a relativizar estas coisas, muito blasés, com muita nonchalange. Isto é muito jogo geoestratégico, como na história da Síria: não interessa se há guerra ou não, quais as consequências, quem sofre ou não. Importante mesmo é que os nossos não percam a face. A cosmética é o osso. Começa-se a raspar a superfície, é um ai jesus e lá se acabam os briefings.

      • E que pena terem acabado. O mundo ficou mais pobre.

  6. caramelo diz:

    É pena é. Mas ninguém se chateia, está tudo calmo, é só fumaça! O povo anda a serenal! Fui no outro dia a um sítio aqui em Coimbra onde os pais podiam levantar de graça manuais escolares usados, para poupar uns cobres (manuais únicos, preços controlados, é xuxa, viva a liberdade e coiso). Cheguei pouco passava das 10 horas e já era o número duzentos e tal. Havia gente que lá estava desde as quatro da manhã. Quietinhos, disciplinados. Aqui vai um mete nojo, para as nossas pombinhas se babarem: muitos deles tinham estacionado ao lado bons carros, grandes cilindradas. Já estão no purgatório, que é para onde vão, mais tarde ou mais cedo, fatalmente, os mortais comuns, pecadores por natureza. Mas aprendi na catequese que estar no purgatório é estar na eterna esperança de que um dia se vai para um lugar mais ameno e já me disse um senhor abade que isto melhora quando tivermos dois ou três anos seguidos de crescimento asiático.

  7. A propósito do post do Vida Breve que mencionas acima, diverti-me imenso relendo-o, sobretudo no que concerne aos comentários. Não só pela minha troca de opiniões com o caramelo, mas também porque pude reler o Pedro Lomba pré-secretário de Estado, ou seja, pré-briefing e pré-filósofo.

    • Sim, mas julgo que o caso Lomba é uma coisa à parte: não se trata de ser pré-qualquer coisa, mas de tentar levar para a realidade aquela vida cheia de ideias. Ou seja, desconfio que ele quis mesmo sujar as mãos por acreditar que se não o fizesse deixaria a coisa entregue a uma classe pouco recomendável. A estratégia Lomba de ocupação do poder tem atrás de si um raciocínio interessante: se não quisermos deixar a política para aquelas pessoas temos de ser nós a participar. Claro que escolheu o cavalo lazarento, mas é a vida.

  8. caramelo diz:

    Luís Jorge, o Pedro Lomba, a querer mudar o mundo? Não o acho particularmente brilhante, mas tem pelo menos aquele bom senso e esperteza q.b. que o impede de ter grandes ilusões a esse respeito. Teve a oportunidade de ver e participar do poder por dentro e aproveitou-a. Vai-lhe servir para anos de crónicas sobre a solidão do poder, etc, quando lhe passar a vertigem e achar o tom certo. Um homem com ambições, para ganhar o respeito dos seus pares, não pode ficar toda a vida só pelas citações do Burke e do Toquevile. Não tendo conseguido alistar-se nos marines para ir para o Iraque, foi o melhor que conseguiu. Tem os seus inconvenientes. O seu amigo Pedro Mexia esteve na Cinemateca e veio de lá enfastiado com as miudezas do cargo, os orçamentos, o expediente diário, o almofarixado, etc. Um ferro, como diria o Eça. A propósito, Carlos, e então o nosso Aquilino, como vai?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: