O Estado fraco.

Pedro Lains:

A EDP está de rastos. Deve o dobro do que vale, continua a endividar-se lá fora, contribuindo para o crescimento da dívida nacional, ao mesmo tempo que paga dividendos de empresa saudável, estende a sua malha política até mais não, promete investimentos que não se fazem e até despediu um Secretário de Estado. Agora, resolveu processar a ERSE e, espante-se, o novo Secretário de Estado da Energia. Veja-se bem: o Secretário de Estado, a pessoa do dito. Isto não é uma pressão indevida? (…) Ninguém faz nada?

Não. E ninguém faz nada porque a glutonaria do centrão aliada ao atomismo das indignações selectivas nos fez perder o país. Talvez tenha chegado a altura de suspendermos a democracia por uns anos. Sempre era uma alegria que se dava ao povo.

Luis M. Jorge

Anúncios

15 thoughts on “O Estado fraco.

  1. best diz:

    Bem…
    1 – se está de rastos abre falência ou é comprada por outra. Problema dos accionistas.
    2 – Se anda a processar pessoas sem fundamento perde e é condenada. Se perder paga uma indemnização.
    Pressão indevida? Quem governa não pdoe ser uma flor de estufa. Aguente e peça uma boa indemnização.
    Quem aceita cargos públicos tem que aceitar os ónus deles.
    Desde que tudo isto seja sem irem ao bolso do próximo, já é muito bom.

    • 2 – Se anda a processar pessoas sem fundamento perde e é condenada. Se perder paga uma indemnização.
      Pressão indevida? Quem governa não pdoe ser uma flor de estufa.

      Espero que aplique o mesmo raciocínio às decisões do Tribunal Constitucional.

      • best diz:

        Está a comparar uma decisão do foro privado e diagnosticável com elevado grau de objectividade, através do balanço e que apenas diz respeito aos accionistas, com a interpretação de um princípio abstracto, pelo t. constitucional – com juízes nomeados por partidos e que se repercute em todo o país?
        Quanto à 1ª decisão, não diz respeito senão aos accionistas.
        A 2ª afecta todo os portugueses…
        Isto não é um desafio de futebol entre governo e trbi. constitucional.

        Se as decisões devem ser acatadas? Sim.

        Mas,

        Em relação ao t constitucional será de questionar, se queremos, de facto, continuar no euro.
        O entendimento que fazem da constituição e que é admissível (embora longe de ser o único possível e para mim, o incorrecto) leva a que a questão deve ser tratada politicamente.
        A questão é: que sociedade queremos ser? A réplica séc. XXI do estatismo e atraso do país do Dr. Salazar (por algum motivo o regime quis acabar, em 37 anos, com o analfabetismo, algo que a Dinamarca fez em 10 anos, nos finais do séc XIX) ou uma sociedade europeia moderna? É que estas últimas estão a acabar com o modelo do welfare state com reduções da despesa pública (Suécia, Holanda, com uma declaração formal, há poucos dias).
        É isso que os portugueses precisam discutir abertamente e com toda a franqueza, mas convém que no conhecimento pleno do que, desde logo, implica sair do euro (entre outras, a consequência imediata: os hipermercados transformados em lojas gourmet e o empobrecimento de 40% da noite para o dia).
        E sem que haja acórdão do constitucional que nos restitua o que se perder então)

      • Claro, claro. Estamos entendidos.

      • best diz:

        Bem me parecia que era pela discussão frontal, aberta e leal sobre o país.
        Infelizmente, ainda não aconteceu.

      • Gosto muito de discussões abertas, principalmente com tipos que são legalistas quando se fala nos direitos das grandes empresas e relativistas quando a lei se vira contra o Governo do seu coração. Poupe-me é a esse tonzinho condescendente se quiser continuar a ser publicado por aqui.

      • João. diz:

        “ou uma sociedade europeia moderna?”

        – isto faz presumir que somos alguns talibans a precisar de modernização. E qual é a modernização? A ver pelas queixas em relação ao tribunal constitucional trata-se de retroceder até ao ponto em que o emprego e a vida do trabalhador volta a estar submetido ao arbítrio individual do empregador.

        Começo a pensar que a modernidade desta malta é literal – eles querem voltar ao fim do sec XIX, princípio do sec XX.

      • João. diz:

        “Está a comparar uma decisão do foro privado e diagnosticável com elevado grau de objectividade, através do balanço e que apenas diz respeito aos accionistas, com a interpretação de um princípio abstracto, pelo t. constitucional – com juízes nomeados por partidos e que se repercute em todo o país?”

        Os juizes do Tribunal Constitucional são nomeados de acordo com a Constituição, o seu trabalho é parte da Constituição e não há ordem constitucional em vigor sem a função e o trabalho do tribunal constitucional – e sem ordem constitucional o “foro privado e diagnosticável com elevado grau de objectividade, através do balanço e que apenas diz respeito aos accionistas” não vale um car@§#o.

  2. P R J diz:

    Peço desculpa. O mercado mundial está volátil ou estão a angariar fundos para a EDP por precisarem de esmolas.

    Cito esta fonte onde estão lá mais para além da EDP:

    http://www.forbes.com/global2000/list/#page:1_sort:0_direction:asc_search:_filter:All%20industries_filter:Portugal_filter:All%20states

  3. Leitor diz:

    Este senhor http://blogs.ft.com/beyond-brics/2013/09/20/orban-hungary-utilities-just-dont-call-it-nationalisation/#axzz2g0rxWGf0 não é flor de estufa, mas também não é flor que se cheire.

    Esperomos que isto não descambe e apareça um Vitor…

  4. henedina diz:

    Luís M Jorge?! Suspender a democracia? O M é de Manuela? 😉

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: