Criativo e original

É no Blasfémias ( e às vezes no Expresso)  que podemos , por estes dias, ler as mais refrescantes teses sobre  a sociedade portuguesa.

O recurso à analogia não deve ser menosprezado, é uma necessidade vital.

FNV

 

Anúncios

6 thoughts on “Criativo e original

  1. vortex diz:

    «Processo Julgado a 19 de setembro de 2013 no 4º Juizo, 1ª secção dos Juizos Criminais de Lisboa

    Ao Conselho Superior do Ministério Público
    Exmos Senhores

    Vem o signatário solicitar a abertura de um inquérito ao instrutor do processo em referência baseado nos factos que indica. No dia 19 de setembro de 2013 pediu este a absolvição do réu, facto que na minha qualidade de queixoso me surpreendeu. Levantou-se no meu espírito a primeira e fundamental questão: perdeu-se tempo e dinheiro dos contribuintes (num país falido no dizer de conceituados economistas), para nada em virtude do caso estar deficientemente apresentado.
    Não permitiram ao queixoso a apresentação de antecedentes e consequências que coexistem com os factos, neste caso uma agressão na via pública por parte dum advogado a um seu ex-cliente ao qual roubou a … e de quem não se queixa por lhe chamar ladrão.
    Não se referiu o vídeo das câmaras exteriores de vigilância da Loja D (atual Universal Music) sita na Rua Professor Reinaldo dos Santos 12.
    Não se procurou saber quem foi o fornecedor da cadeira onde sentaram o queixoso até à chegada do INEM. Era muito provavelmente da esplanada do restaurante onde o réu se encontrava quando o vi,
    Não se identificou o autor do telefonema para o 112, o qual podia ter testemunhado a agressão.
    Aceitou-se por boa a declaração da testemunha proprietária da tabacaria. Era cliente e deixei de o ser por falta de segurança. Há cerca de ano e meio entrei lá ao fim da tarde para comprar uma revista. Mal entrei acompanhado a senhora fez-se muito vermelha e quase gritou ‘-não o conheço de parte nenhuma’. Seguiu-se diálogo digno de ser apresentado em tribunal.
    Descredibilizou-se o testemunho da minha única testemunha, uma romena de língua húngara que estava a meu lado (posso estar enganado mas é minha convicção que se trata de preconceito xenófobo num país de emigrantes). Não se pediu interprete.
    Tenho de me queixar do incompreensível tratamento dos técnicos do INEM que se recusaram a chamar a PSP e que deveriam ter estado presentes como testemunhas. Nem sequer me trataram a ferida da mão esquerda por estarem mais interessados em descansar e fumar um cigarro.
    Durante o meu depoimento fui interrompido e repreendido pela meritíssima Juiza. Fiquei tão limitado na minha concreta e factual exposição de 10 minutos que tive de dizer ‘-se me é permitido’. Totalmente em vão. Aguarda a sentença proferida no próximo dia 26.
    A minha pretensão reside numa nova investigação do Ministério Público para solicitar novo julgamento. Vivo da minha reforma e não possuo meios para pagar a advogado e recorrer à 2ª Instância.
    Fico novamente, como de há 12 anos a esta parte confinado ao andar onde vivo com receio de ser novamente agredido de modo a tentar fazer danos internos. Trombos, como podia ter acontecido neste caso. Se algo me suceder terão que ser apurados os responsáveis.
    Saúde e Fraternidade

    Lisboa, 22 de setembro de 2013»

  2. Pedro Jorge diz:

    W.S. Hamlet –

    “O God, I could be bounded in a nutshell, and count myself a
    king of infinite space—were it not that I have bad dreams.”

    Não penso em inferioridade ou superioridade. Só naquilo que quero e é aprender. Verdades ou mentiras ou nenhuma delas, mas todos nós sabemos de desde os 50’s que já se pode dizer válido ou não válido.

    Interessante é dizerem que em portugal já há uma lei por difamação além do presidente da república? É verdade ou é inválido?

    Já quando era um amigo de um amigo de um amigo de um colega de um colega amigo meu que falavam nas tertúlias sobre Nostradamus e dizia que uma profecia era que Portugal em 2042 iria estar no centro do Mundo. E eu dizia na brincadeira “Nós tardamos…”

    Há quem acredite que a única maneira de chegar a consensos é ir confrontando ideias opostas até que entrem em harmonia ou se perca o fio À meada. Há quem acredite que todos nós temos as ideias adormecidas e que vão despertando à medida que nasce um dia novo, já como dizia Shakes….:

    O wonder!
    How many goodly creatures are there here!
    How beauteous mankind is! O brave new world,
    That has such people in’t.

    Mas ninguém precisa de ler Peare para saber isso. Um mundo muito ‘refreshed’ com hálito a menta e nas outras vezes sabe a vinho das melhores colheitas.

  3. Miguel diz:

    Eu chamar-lhe-ia uma falácia. Uma analogia falaciosa. Refrescante? Depende da temperatura do leitor.

  4. Pedro Jorge diz:

    Que blasfémia. Diz só que não percebeste o que o Senhor quis dizer e pronto!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: