Balancete.

1. O velho PSD foi a votos através de um independente — Rui Moreira — e triunfou. Será ingénuo quem acreditar que Pedro Passos Coelho vai sobreviver incólume ao exercício.
2. A derrota de Luís Filipe Menezes é o fruto do conflito entre princípios e interesses. Um partido que defende a redução da dívida não se pode fazer representar pelo segundo autarca mais endividado do país. E, no entanto, faz.
3. O fantoche de Isaltino aclamado em Oeiras: silhuetas de Berlusconi, uma anotação para o futuro.
4. Paulo Portas prepara o CDS para liderar a direita parlamentar daqui a dez ou quinze anos. Não vai ser fácil, mas é o desafio estratégico mais interessante da nossa vida partidária.
5. O Bloco em extinção. Esvaziado por Sócrates, radicalizado pelos seus arcaísmos, incapaz de obter verdadeiro apoio popular, cada vez mais refém de uma geração. Seria uma oportunidade para o PS, não fosse o pobre diabo que hoje se apresentou como o grande vencedor destas eleições.
6. A transição de António Costa para a Presidência da República cada vez mais provável. Temos Sampaio.

Luis M. Jorge

Anúncios

17 thoughts on “Balancete.

  1. No que concerne ao Rui Moreira, acho que a tua analise é redutora. A base de apoio dele foi muito além do velho PSD.
    Quanto ao resto, subscrevo tudo.

    • Ah, acrescentaria apenas a derrota do PSD na Madeira.

    • Mas Rui Rio foi fundamental. E houve um confronto assumido.

    • Carlos Duarte diz:

      É verdade que sim, mas o grosso do apoio foi a burguesia (no sentido clássico da palavra), que vota “à direita” (CDS e o tal “velho PSD) e algumas camadas populares menos dependentes da Câmara (que já apoiavam Rio).

      O resultado do PS explica isso mesmo: houve transferência de votos, acima de tudo, do CDS “em bloco” para Rui Moreira e o PSD cindiu-se a meio.

      • Carlos Duarte, como disse ao Luís, isso é parcialmente verdade, mas vai muito além disso.
        O CDS e o PSD tradicional não justificam os resultados de Rui Moreira. Basta constatar que a soma dos votos de Moreira e Menezes vai além dos votos do PSD+CDS nas últimas eleições.
        Quem é do Porto sabe bem que a burguesia já não é o que era, e que o velho PSD começa e morre na Foz.
        Houve tranferência, isso sim e em larga escala, do PS para Rui Moreira.
        Analisando os votos por freguesia, percebe-se claramente o que estou a afirmar.

      • henedina diz:

        Meio e cds não dava a vitoria. Ele foi mandatario de outro candidato a presidencia, por isso anti-Cavaco nas eleições presidenciais. Esse grupo, tinha pessoas de esquerda, enganadas mas crentes.

  2. XisPto diz:

    Salvo 4, assino por baixo, mas a corrida 6 é para o Rato. Parabéns por Lx, goze, vai ser duro quando se sentar com os credores.

  3. Analista diz:

    na minha opinião os dois maiores destaques das eleições de ontem são os seguintes:

    – derrota dos dinossauros autárquicos itinerantes, pelo menos os mais mediáticos. o povo é sábio e sabe bem o que quer.

    – vitória de Isaltino em Oeiras. mais uma vez, o povo, sobretudo se instruído e bem alimentado, sabe bem aquilo que quer e não tem problemas em ser enganado. a malta de Oeiras não é burra. sabe perfeitamente quem é Isaltino.

    o povo… o povo.

    que os partidos políticos consigam interpretar o que aconteceu ontem, para bem do povo.

  4. Bone diz:

    Esquece-se da CDU.

  5. Porto Sentido diz:

    Meneses foi um candidato tolerado pelo Passos Coelho. Nem podia ser de outra forma; quem estava por trás da campanha? Ílidio Pinho. Que é apenas o patrão do Passos Coelho.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: