Rui Banal

Lamento, mas não consigo compreender a excitação em torno de Rui Moreira, salvo ter sido apoiado por Rui Rio.

No programa eleitoral lemos:

A cultura é o oxigénio que transforma as cidades e esta cidade do Porto num ser vivo!

ou

Temos um propósito, temos um desígnio, temos um sonho: eliminar a pobreza da face da nossa cidade.

ou ainda:

O Porto todos os dias descobre escritores e todos os dias inventa arquitetos.

Um banal aluno do secundário ou António José Seguro não fariam pior.

FNV

Anúncios

24 thoughts on “Rui Banal

  1. A excitação em torno de Rui Moreira é a excitação que sempre rodeia os vencedores, Filipe, sobretudo quando se trata de um vencedor improvável.
    Quanto ao link e excertos que indica, não se trata do programa; o programa encontra-se aqui: http://www.ruimoreira2013.pt/noticias/manifesto-eleitoral.

    • fnvv diz:

      Sim, tem razão, mas os programa é do mesmo género, com uma outra específica ( Porto Hub , a tradicional reabiltação do Bolhão etc).

      • É mais sóbrio e estruturado, Filipe. Em todo o caso, não contesto que o programa, como todos os outros (não sei se leu o de António Costa, presumível futuro PM e/ou PR), é mais paleio do que outra coisa qualquer.

      • fnvv diz:

        é verdade, por isso me intrigam os entusiasmos, mas desenvolverei mas tarde…até porque passam tangente a áreas próximas da minha ou mesmo da minha.

      • O meu palpite é: necessidade de não cair numa espécie de niilismo, de acreditar em alguma coisa. Eu votei nele porque, independentemente do programa ou de qualquer outra coisa, me pareceu de longe o melhor candidato (e, concedo, porque queria assistir à derrota de Menezes).

      • fnvv diz:

        Pois, mas acreditamos em alguma coisa ou acreditamos em acreditar?

      • Excelente pergunta, Filipe, para a qual não tenho resposta.
        A única coisa que me parece óbvia é que acreditar em acreditar é uma pescadinha de rabo na boca: é circular, não tem saída, não se desenvolve; enfim, é uma coisa bonitinha, boa para livros de auto-ajuda. Acreditar em alguma coisa, ainda que má, sempre ajuda a definir um caminho; mas também não sei se seguir um caminho mau é melhor do que ficar parado no mesmo sítio.
        Eu creio que acreditamos que merecemos mais do que este cinzentismo que nos é dado viver, em que as únicas cores correspondem a episódios degradantes como o de Isaltino a lançar jornais em chamas pela janela da sua cela. Mas creio também que a maioria de nós não faz o que é necessário para ter mais do que isto. O que faz é, de vez em quando, criar muitas expectativas e iludir-se, como forma de superar o tal cinzentismo que referi.
        Fico a aguardar que V. desenvolva mais tarde, como afirmou inicialmente.

      • Miguel diz:

        Pode-se acreditar que é sempre melhor tentar fazer algo para melhorar as coisas, mesmo que a probabilidade de sucesso seja baixa. A alternativa — baixar os braços — apenas aumenta a probabilidade de que o pior se torne realidade.

      • Miguel, absolutamente de acordo. Até acredito que as grandes mudanças podem resultar de pequenas coisas, desde que cada um faça a sua parte.

  2. Talvez, mas isso não é o programa, é um manifesto de intenções.

  3. Jorg diz:

    Assegurava aos portuenses algumas conformidades e ideias comuns concretizadas por Rui Rio – ir melhorando com boas contas, sem andar a correr com os habitantes da cidade para cidades ou bairros periféricos que deixem o centro livre para obras de fachada que o tornam lindo só para turistas e galegos mais endinheirados.
    Forte contraste com farroncas como a do o Dr. Meneses – pelo menos….

  4. José Mexia diz:

    Percebo que não compreenda, de vez em quando mesmo os mais inteligentes têm dificuldade em tirar as palas…

  5. Carlos Duarte diz:

    Caro FNV,

    Mas essa “banalidade” foi, para mim, parte da atracção. Não sendo propriamente “liberal”, admiro o liberalismo q.b. na gestão pública, a ideia de que o melhor que o Estado (ou a Câmara) pode fazer é não atrapalhar, tapar buracos e (pegando num estranho tema recorrente nesta campanha) expandir cemitérios se necessário.

    RM promete uma coisa fundamental: continuidade e melhoria do que considera estar em falta nos mandatos anteriores. Não promete revoluções, obras em catadupa ou amanhãs que cantam. O programa é de facto curto, reduzido em promessas (pessoalmente e em certos pontos, acho que prometeu de mais) e isso é positivo.

    Depois, tem outra eventual (a ver) qualidade que é atractiva: não deve vassalagem aos poderes (sejam os de Lisboa, sejam os tiranetes políticos locais) e tem, por isso mesmo, liberdade de manobra. O slogan da candidatura foi “O nosso partido é o Porto”. Espero que o cumpra. Sem aspirações de querer transformar o resto do país no “Porto” por vias messiânicas.

    • caramelo diz:

      “… a ideia de que o melhor que o Estado (ou a Câmara) pode fazer é não atrapalhar, tapar buracos e (pegando num estranho tema recorrente nesta campanha) expandir cemitérios se necessário.”

      Isso é um excelente programa para a comunidade inglesa do Porto. O governo que não atrapalhe, que saia da frente e que asfalte as ruas para passarmos sem sobressaltos, expanda o cemitério e plante uns choupos, que a gente cá se governa no resto. Um programa para o século XIX que ai vem. Volta, Júlio Diniz. Desta vez, para não deixar as coisas à sorte, a filha do guarda-livros que tente engravidar do filho do lorde.

  6. cenas underground diz:

    A minha excitação com Rui Moreira, deve-se mais ao facto do Luís Filipe Menezes não ter sido eleito. Estaria bastante contente mesmo se a alternativa fosse o Rato Mickey. Calha de este ser um candidato com alguma credibilidade, com vida fora da política, pertencente à elite da cidade. Mas mesmo assim, acho que o que me deixou realmente contente foi ter visto a derrota do Menezes, e da sua ideia de política de prometer mundos e fundos, e fazer umas festarolas com porco no espeto à mistura. Construír coisas, e não as pagar não é “Deixar obra”, é “deixar dívidas” e arruínar a tesouraria de muitas empresas.

  7. zelisonda diz:

    Nem mais, “cenas underground”, nem mais.

  8. caramelo diz:

    Caramba, eu começo a achar que o Moreira apenas foi eleito para evitar que o Menezes tomasse o Porto. Nem sequer a caridade de um louvor a uma linha do seu programa, nada, para além de uma vaga referência a uma vaga credibilidade. Não é muito lisongeiro para o homem. Não se encontra entre a elite da cidade, como diz o cenas underground, alguém que provoque um pouco mais de entusiasmo?

    • Caramelo, é difícil dizer alguma coisa porque ele nunca exerceu nenhum cargo político. Como só posso falar por mim, resumo desta forma: dei-lhe o benefício da dúvida. Mais acima, disse ao Filipe que o programa dele, como todos, é uma treta (o do António Costa, que também referi acima, não poderia ser mais megalómano), mas isso diz-me pouco: nenhum candidato respeita os programas. E não pense que impedir o Menezes de tomar o Porto é de somenos; só não percebe a importância porque ele não foi candidato à Camara Municipal do seu concelho (já agora: o eleito no seu concelho agrada-lhe?).

      • caramelo diz:

        Carlos, eu entendo que impedir o Meneses de tomar o Porto não é coisa de somenos. Mas a verdade é que ainda não sei bem o que pensar dos independentes como o Moreira. Logo se vê. Sobre o meu, não tenho a certeza se me agrada, se não me agrada. Fez coisas boas e outras menos boas quando lá esteve antes. Conheço-o mais ou menos (bom dia, boa tarde, pouco mais) e tenho alguma simpatia pessoal pelo homem, o que é dizer muito pouco. Fez obra, gastou talvez demais, mas não recai sobre ele qualquer suspeita, não é um Isaltino, nem sequer um Meneses. Já fico satisfeito que a CDU mantenha um vereador e que tenha sido eleito um independente, de quem tenho boas referências. Logo se vê.

      • Caramelo, independentes ou não, é mesmo isso: logo se vê.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: