Vamos por partes.

Neste artigo do Daniel Oliveira convivem no mesmo parágrafo o melhor e o, hã, menos bom da nossa esquerda. O parágrafo é este:

Uma das poucas utilidades destas entrevistas indigentes é retirar a patine de respeitabilidade democrática e intelectual a uma determinada elite económica. Percebemos como é anacrónica, provinciana e incrivelmente inculta. O drama é que é ela, e não aqueles que criaram empresas inovadoras e baseadas no conhecimento e na investigação, que apostaram na mão de obra qualificada e em acrescentar valor ao que produzem, que mais influência tem junto do poder político e mediático. É esta pequena elite de vendedores a retalho e bancários de luxo que se confunde com o poder político, o influencia e vive a sonhar com um passado perdido. E é este, e não a perda de Angola e o excesso de peixe grelhado, o drama histórico de Portugal: temos uma elite dominante que sempre foi pior do que o resto do país.

Eis a parte em que acerta:

É esta pequena elite de vendedores a retalho e bancários de luxo que se confunde com o poder político, o influencia e vive a sonhar com um passado perdido.

Eis a parte em que dá um tiro no pé:

O drama é que é ela [a elite económica], e não aqueles que criaram empresas inovadoras e baseadas no conhecimento e na investigação, que apostaram na mão de obra qualificada e em acrescentar valor ao que produzem (…)

Não farei a maldade de tratar o Daniel Oliveira como um analfabeto da gestão. Mas a Jerónimo Martins foi colocada pela Forbes no 16º lugar de uma lista das empresas que mais inovaram no mundo em 2013.

Luis M. Jorge

 

Anúncios

12 thoughts on “Vamos por partes.

  1. caramelo diz:

    Eu, só a olho, diria que a empresa de retalho mais inovadora é a do Jumbo, porque tem um aspersor fininho para refrescar os legumes. Se se trata de gestão, admito que a Jerónimo Martins é, de longe a mais inovadora e criativa de Portugal inteiro; bastava terem deslocado a sede da holding para a Holanda. Se inovarem ainda mais e criarem um departamento aereo-espacial, podem um dia construir um foguetão para deslocar a sede para a lua, maior paraíso fiscal ainda.

    • Certo, vejo que você percebe da poda.

    • xico diz:

      O E. Leclerc também tem o tal aspersor que faz as delícias dos turistas abismados com tanta inovação.

      • Carlos diz:

        Turistas?? Serão talvez os “não-turistas-lusos” os deslumbrados… afinal, aspersores de legumes é coisa que não falta por esse mundo fora…

      • caramelo diz:

        Eu queria falar mais disto e espero que não pare, até porque sempre quis participar numa conversa de velhas surdas e taralhocas até a noite cair e as filhas irem buscá-las pelas orelhas. O Carlos está certo. Eu, no Jumbo, para além de meia dúzia de turistas busquimanos que vieram nos porões de um avião desde cabo verde, que nem sequer viram alguma vez tomates e pepinos, quanto mais aspergidos, só vi excursões de portugueses pobres, em fila, a lavar a cara, e velhinhas de mãos postas a agradecer o milagre ao comendador Soares Silva e. tudo começou com uma velha que pensou ver um tomatinho a chorar. O mundo é mais maravilhoso do que merece, o que quer que isto queira dizer.

  2. murphy diz:

    100% de acordo com o Daniel: “… o drama histórico de Portugal: temos uma elite dominante que sempre foi pior do que o resto do país.”

    A verdadeira questão é: o que se define por elite?… o próprio Daniel estará fora, ou dentro, da mesma?

    Sobre a Jerónimo Martins e a deslocalização da SGPS para a Holanda: consta que foi a última empresa do psi20 a fazê-lo. Porque será que vemos esta crítica recorrente a esta empresa? 100% de acordo com o Daniel: “… o drama histórico de Portugal: temos uma elite dominante que sempre foi pior do que o resto do país.”

    • “consta que foi a última empresa do psi20 a fazê-lo”.

      De onde tirou esta informação? Cheira-me a treta.

      Quanto à ideia de o Daniel Oliveira fazer parte de uma elite dominante, é mesmo o seu hábito de querer ver a coisa enviesada.

      • murphy diz:

        Ok, serei então o único a identificar a Aula Magna com essa elite.

        É apenas a minha opinião.

        Sobre a JM:um artigo da altura dos acontecimentos:
        http://www.dn.pt/inicio/opiniao/editorial.aspx?content_id=2219630
        “A quase totalidade das 20 empresas cotadas em bolsa no PSI-20 está na mesma situação da Jerónimo Martins – naturalizada holandesa. Esse é mais um espelho implacável, que reflete a distância entre o que somos e o que gostaríamos de ser. E o que podemos agora fazer.

  3. caramelo diz:

    Pois eu, como artista de esquerda, tenho muito orgulho em dizer que não reconheceria essa coisa da gestão nem que ela me saltasse para o colo e me lambesse todo, e por isso não me ocorria que alguma coisa nesse tal parágrafo do Oliveira estivesse associada ao Alexandre Soares Silva. Eu vou de propósito á farmácia do continente comparar genéricos de aspirina, que vou devolvendo, só para ver as caixas descerem por tubos, e depois vou ao Jumbo meter as mãos por debaixo dos aspersores. Isto para mim é que é inovação. De qualquer maneira, cada um tem o seu manelinho favorito e o meu é o Belmiro de Azevedo, porque é um milionário que ia a pé para a escola em miúdo, e depois vem o senhor Oliveira da Figueira e só cá em baixo o senhor Soares Silva. O meu ranking é este.
    Vamos lá a saber agora, senhor murphy: Já estou mais ou menos qualificado para fazer parte da elite dominante, ou não? De qualquer modo, se isso não meter jatos privados para ir jantar ao pacífico, não estou interessado. Fico com uma vida mais tranquila se não ficar falado e me limitar a ir comer lulas grehadas á Trafaria com o senhor Soares dos Santos da classe oprimida.

  4. Miguel diz:

    Está bem visto, está… Então um gajo de esquerda a sério, dos bons, que não dos nossos, devia construir as suas análises de acordo com os critérios da Forbes? Para quando um vegetariano a lançar ditirambos entusiasticos à Tesco pelos seus maravilhosos hamburgeres ? (atenção que estes últimos também são bastante inovadores no seu campo, tinham um bom modelo para diminuir os custos e para ajustar o consumo das famílias às suas reais possibilidades, e não acima delas, é que isto da carne de vaca não é para ser para qualquer um… ainda por cima se for de esquerda)

  5. Luís, costumo ler o que escreve com interesse e satisfação mas vejo-me obrigado a sair ao terreiro em defesa do Daniel Oliveira. O seu reflexo, compreensível, foi o de considerar a avaliação da Forbes acima de qualquer suspeita.
    Ora, naturalmente que não se trata de equiparar a revista à pandilha de jornalistas amestrados que escrevem regularmente na imprensa portuguesa de referência, mas veja bem que os critérios adoptados neste ranking medem exclusivamente a performance financeira da empresa. http://www.forbes.com/sites/innovatorsdna/2013/08/14/how-we-rank-the-worlds-most-innovative-companies-2013/
    Ora essa já sabemos que é muito boa, mas ficamos sem perceber em que é que isso se deve à sua capacidade para «inovar». Basta ir às compras em Espanha, no Reino Unido ou na Alemanha para constatar que os supermercados são iguais praticamente em todo o lado, do ponto de vista da sua oferta e funcionamento.
    E ao nível dos preços verifica-se que eles são em média ligeiramente mais baixos em Espanha, por exemplo, apesar de os níveis salariais serem ali superiores.
    A Jerónimo Martins ganhou uma escala que lhe permite praticar preços concorrenciais na área do retalho em Portugal, quem o poderá contestar? Mas um supermercado ainda é um supermercado e aquilo que acrescenta à economia no seu conjunto não pode ser comparado ao que fazem as outras empresas desse ranking, que são, na sua vasta maioria farmacêuticas e tecnológicas com um altissimo valor acrescentado.
    A afirmação do DO é por isso substancialmente correcta, no que diz respeito à burguesia portuguesa no seu conjunto (um Henrique Neto não faz a floresta) e ào Sr. Soares dos Santos em particular. Só não percebo porque perdemos tanto tempo a discutir a performance de uma empresa holandesa.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: