Tag Archives: ide e reproduzi-vos

Há mais vida para além da vida ( 13)

Uma agente secreta é encarregada de contactar ( verbo cripto-transitivo) Ciano. O famoso diário, a filha de Mussolini em fuga, uma casa isolada. Em vez de trabalhar para o Reich, apaixona-se por Ciano. Um homem perdido, uma mulher redentora, um final impossível. O amor perfeito, sobretudo se não tiver sido por amor. Ciano era rico:

“La leggenda, perché le leggende non vanno tanto per il sottile, vuole che l’ affascinante detenuto seducesse la graziosa tedeschina, automaticamente trasformandola in sua alleata. Ma può un uomo in quelle condizioni, privato della libertà e convinto di avere poco da vivere – perché speranze, fin dal principio, non ne ebbe molte – trovare la voglia di indugiare ancora una volta nel gioco già giocato tante volte? Forse, per reazione istintiva e per forza di abitudine, il maturo dongiovanni abbozzò un corteggiamento, qualche abbraccio più desolato che appassionato, ma la partecipazione emotiva di lei fa pensare a qualcosa di più autentico di un fugace, esaltato innamoramento: tenerezza, per esempio, compassione, pietà o anche, come ella stessa laconicamente lasciò intendere molti anni dopo, senso di giustizia: «Per offrire una sorta di riparazione al modo in cui i tedeschi l’ avevano ingannato». Quando l’ avevano condotto in Germania invece che in Spagna come promesso, quando da ospite l’ avevano trasformato in prigioniero e, infine, quando avevano premuto su Mussolini affinché non perdonasse il tradimento. Missione dimenticata? Non è facile immaginare i colloqui nella cella degli Scalzi. La timidezza, la soggezione di lei, dapprincipio, e il fastidio di lui che subito aveva capito che gli era stata messa alle costole una spia. Discorsi stentati, dunque o, magari, conversazioni come si fanno in salotto, sul tempo, sulla salute, sul cibo, su come mai lei parlasse così bene l’ italiano, su quali autori lui preferisse leggere. La diffidenza incuriosita di lui, lo smarrimento di lei al rendersi conto di non avere a che fare con un «obiettivo» ma con un caso umano. Il silenzio, allora, senza più parole a coprire gli imbarazzi; soltanto la voce di lei, nel suo italiano fluente ma con inevitabile retroaccento tedesco, che legge per lui. Lentamente poi il reciproco rivelarsi, con lui che parla probabilmente più di lei, perché ha più da dire, più da argomentare, più da chiedere, più da sfogare. E lei che ascolta, che impara, che scopre in diretta cosa siano la paura, la disperazione, il dolore, la miseria umana. In poche settimane, forse pochi giorni – perché nel braccio della morte a lungo non si tengono i segreti – lei sa tutto di lui, della sua storia, della sua famiglia, della sua vita. Molto probabilmente anche dei suoi diari e di dove stanno nascosti. In una pia donna si trasformò, dunque, Frau Beetz, in una caritatevole sorella spirituale, dimentica della sua missione per la patria? Ma perché, allora, beffò Ciano in extremis, fornendogli una fialetta piena d’ acqua invece che di cianuro come con insistenza aveva chiesto? E perché gli tacque la notizia – che lui aspettava con grandissima ansia e che lei conosceva – dell’ avvenuto passaggio in Svizzera di moglie e figli?”.

( aqui)

 

FNV

Com as etiquetas

Há mais vida para além da vida ( 11)

Uma teoria do amor e da separação; como outra qualquer:

 

FNV

Com as etiquetas

Há mais vida para além da vida (10)

Borges dizia que nos romances há excesso de população. Uma mulher  na cozinha é excesso de população.  O velho adágio que mandava caçar os homens pelo estômago sabia que a barriga em causa não era a do homem. Assim como assim, mulher na cozinha só em azeite a 90º e com um ramo de alecrim.

Não imitem esta idiota, a menos que queiram  homens que não sabem falar de boca cheia:

FNV

Com as etiquetas

Há mais vida para além da vida ( 9)

A melhor bomba é a mais difícil de desarmar. A bomba remete para  som cavo e profundo ( bombus latina, bombos grega). A mulher-bomba é a aquela à qual conseguimos arrancar esse som. As outras,  meias nuas, muitas vezes gordas  à náusea e de rabo à vista, nos passeios   e nas esplanadas, são granadas defensivas.

E como desarmas  a bomba? Pensa como uma mulher, camarada, pensa como uma mulher…

FNV

Com as etiquetas

Há mais vida para além da vida (8)

“Como se revitaliza um casamento?“, perguntam-me  elas ( claro…) tantas vezes ? Por Ola John! ( aos poucos  percebem esta  minha  prece, não é?), que pergunta tão capciosa…

Não há nada de mais subversivo, nestes  dias de pleonexia imposta, do que um longo casamento hetero e com filhos. Todas as mulheres nasceram vulgívagas, pertecendo, sem qualquer excepção, a todos os machos, recordava o Marquês de Sade. Esta lei natural é a base do casamento e , por consequência, das aventuras no casamento . Não por acaso,  os cientistas de feira asseguram que a principal fantasia sexual das casadas é o sexo de uma noite com um completo estranho, ou seja, com todo os  machos.

Assim, a revitalização é um logro. O que é necessário é ensinar à  mulher o caminho da concentração cerebral: um só falo, milhões de autores.

FNV

Com as etiquetas

Há mais vida para além da vida ( 8)

Isto é uma síntese da relação homem-mulher. Elegância, bom gosto, ritmo e superioridade feminina ( duas para um). Também é uma  síntese do meu tempo de faculdade, pois estava impedido, por razões médicas, de frequentar a dita, por isso dancei – sempre bem acompanhado – isto um milhão de vezes. Ajudei a reerguer um velho night club e os Talking Heads  eram meus assistentes.

FNV

Com as etiquetas

Há mais vida para além da vida ( 6)

Pazzo d’amore. Nessa matéria, prefiro a Laura, de Petrarca, que foi coisa demorada: Io non fu’ d’amar voi lassato unquancho, madonna (  LXXXII, 4), que é como quem diz,  nunca me cansei de vos amar, senhora.

Ora precisamente. É um trabalho, um esforço. Nada a ver com esta pepineira:

FNV

Com as etiquetas

Há mais vida para além da vida ( 5)

“Amantes na internet”, afinal casados  há anos. Por Ola John!, o que gosto ( uso-a em colóquios e congressos ) desta velha história:

“Lui e lei si incontrano in chat e dopo i primi scambi di parole, entrano subito in confidenza passando ore a parlare dei rispettivi matrimoni noiosi e forse anche falliti. Virtualmente lei è “Sweetie”, lui si fa chiamare “Prince of Joy”. I due finalmente decidono di stabilire il tanto agognato appuntamento. Ma… la magia finisce all’incontro quando scoprono di essere moglie e marito.
La notizia è riporatata dal quotidiano britannico Daily Telegraph.
Eppure Sana di 27 anni, quasi incredula di quello che le è capitato, dichiara che in chat era tutto così fantastico: “Mi sono ritrovata innamorata improvvisamente. Era stupefacente”. Mentre Adnan, 32enne, dice: “Ancora non posso credere che la Sweetie, che ha scritto cose meravigliose, sia realmente la stessa donna che ho sposato e che in tanti anni di matrimonio non mi ha detto una parola piacevole”

Como é possível? Por Ola John! Como é possível que esta história seja única, se tudo o que queremos  é alguém com quem trocar mentiras verdadeiras?

FNV

Com as etiquetas

Há mais vida para além da vida ( 4)

Um slow invertido. Boa ideia. Aponta na direcção de La Bruyère: le plaisir le plus délicat est de faire celui d’autrui.

 

FNV

Com as etiquetas

Há mais vida para além da vida ( 3)

Não me parece. É tentar meter o Rossio na Betesga para defender a família, a tranquilidade etc. Tretas de psicólogos.

Basicamente, existe o encantamento, com ou sem cópula, e a sorte. A sorte, como no euromilhões,  aparece quando um casal, sem saber como, se esquece do mundo. Se forem intímos, só o comentam , como lembra o Bioy Casares.

FNV

Com as etiquetas

Há mais vida para além da vida (1)

Ele quer ter as duas, ela espera,  a outra desespera. Gosto mais de sucessões ou de dedicações. É possível ir amando a mesma pessoa se formos amando partes diferentes  dela ( La Rochefoucauld).

Acho que ele vai escolher a mãe escondida, a mãe que não teve ( contra-édipo).

 

FNV

Com as etiquetas