Tag Archives: minimalia

Minimalia ( LIX)

Resistir é como desistir – bater no   muro em frente – , mas  demora mais tempo.

FNV

Anúncios
Com as etiquetas

Minimalia ( LVIII)

Os apocalípticos dos  coups e do papão do fascismo prestam um serviço valioso à ordem estabelecida.

Quanto mais negro traçam o futuro, mais suportável parece o presente.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( LVII)

É grandiosa uma sociedade que não faz crianças e  quer os reformados protegidos.

Tem a grandeza do maníaco: não dorme para poder acordar a horas.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( LVI)

As poucas solteironas encalhadas que  ainda sobrevivem são uma espécie de tolas a a proteger.

Resquícios edipianos, agora que Édipo está com pulseira electrónica.

FNV

 

Com as etiquetas

Minimalia ( LV)

A mulher  diz sempre o contrário do que está  a pensar para que o homem pense que faz  sempre o que quer.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( LIV)

A franqueza é dizer a uma  gorda  que ela   é gorda , a gentileza é dizer-lhe que está mais magra.

A  gentileza é a verdade  num ramo de flores.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( LIII)

A diferença entre acreditar em Deus ou na Ciência é a distância entre Hiroshima  e Nagasaki.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( LII)

É preciso  outro governo. Este já não consegue piorar.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia (LI)

As pessoas decididas, ambiciosas e que planeiam as suas vidas,  fascinam-me.

O touro que carrega o matador no último lance  tem a  atenuante de não saber  que é uma espada que segura a muleta.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( L)

Se o desejo é  a distância tornada sensível ( Blanchot), a contenção é o tempo  a fazer de morto.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XLIX)

A resistência deve mais à negativa do que à esperança.

O  miúdo que recusa a sopa é mais difícil de quebrar do que o povo que acredita num  futuro.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia (XLVIII)

Envelhecer é não querer chegar  a uma cabana de onde não se quer sair.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XLVI)

Os teophiles e os theomises definiam-se em relação aos deuses- os primeiros adovaram-nos, os segundos, não.

Hoje situam-nos diante   dos credores: ou lhes agradamos ,  ou não.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia (XLV)

O único sexo que interessa é o que corrompe a inumanidade. Por exemplo, a prostituta que não cobra ao deficente.

Já o outro, por exemplo, o homem que abusa de uma criança, é o sexo humano na sua mais pestífera expressão.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XLIV)

Sodomia na monogamia: os autarcas  deviam ser obrigados  a ficar no lugar até morrer.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XLIII)

Se , na Dinamarca,  um homem  levantar-se quando uma  senhora  chega,  é considerado um acto de sexismo, podemos  concluir que a iedologia passou das palavras aos actos.

Não sei como ainda  não declararam  a recusa do homem   em ser penetrado  por um dildo, um motivo de força de maior para o divórcio. Bem, talvez  o próprio casamento tradicional seja um bocado sexista.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XLII)

O presidente americano teve de pedir desculpas por ter elogiado  a beleza da nova  procuradora-geral . Parece que é sexismo  qualquer alusão a qualidades  não intelectuais das mulheres.

Isto conforta-me.  Tive sempre medo de que a evolução se desse no sentido contrário: que fôssemos obrigados a elogiar  a beleza das intelectuais   feministas.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XLI)

A esperança é a  bala sozinha  no tambor do revólver.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XL)

Em cada aniversário queremos mais anos para ficarmos mais velhos.

O instinto de morte é, portanto, uma necessidade.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXXIX)

Se a depressão é  a raiva virada para dentro, o ciúme é a raiva vestida para jantar.

FNV

 

Com as etiquetas

Minimalia ( XXXVIII)

Colecciono colonialistas e os seus detractores, os  teóricos pós-coloniais. Aprendi que a  colonização é um estado mental e independente de  épocas: faço-te à minha maneira e só existes na medida dessa vontade.

É por isso que a revolta re-inicia sempre: a identidade tem de ter um autor.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXXVII)

Não temos guerra ad portas desde que nos fixámos no sexo.  Malvinas, Argélia, Vietname, Angola ? Escapadelas.

A guerra civil ( desmilitarizada) tem sido  a única opção.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXXVI)

Só há uma síntese perfeita, sem limite nem tradução: o segundo exacto em que morres.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXXV)

McLuhan,  Toffler e depois a web.  O  mundo aos seus  pés.

Já não há floresta à  volta da aldeia global, um aforrador  de Cáceres pode perder as poupanças  num nano-segundo de inspiração de um financeiro de Nova Iorque, a mãe  de um sírio consegue ver em directo  a morte do filho e não perde  tempo a preparar o funeral.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXXIV)

A revoluções  são  como a trupe  de amigos  da juventude   que vem para jantar.

Primeiro a novidade e  a algazarra, depois a garafeira vazia e as velhas quezílias; no final  estamos mortos de os ver pelas costas.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXXIII)

O conservador moraleiro  é um naturalista de jardim.

Ignora a ancestral diversidade  de costumes e, pior, quer proibir os que não compreende.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXXII)

Nas sociedades pacificadas, os antidepressivos fazem as vezes dos bombardeamentos.

No dia seguinte  estás vivo? Ora bem.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXXI)

Hoje, a mulher desinibida  é a que aparece  nas revistas em pose de cópula  ou  fala com coragem dos seus anqueos  sexuais.

E a  primatologia pode abrir-nos  uma nova e esperançosa aurora de desinibição.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXX)

Não há  boas memórias.

As piores coisas  ainda te cortam, as melhores  não voltam.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXIX)

Não sentes raiva. Já procuraste nas fotografias?

Não invejas. Já leste a carta de um suicida?

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXVIII)

Era o  sexo fraco e  inventou a mais velha profissão do mundo. Agora que é forte, o que irá inventar?

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXVII)

A atração mútua e  permanente é a colonização perfeita: tu serves-me, eu dispenso-me.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXVI)

E eis que prende terra, regressando  com o ábrego pelas costas. Tanto pode trazer coitelo embainhado como estormento enfeitiçado.

Seja como for, a terra não se moverá.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXV)

A revolta genuína topa-se  ao longe como navio no horizonte: traz a bandeira da quarentena.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia (XXIV)

A  família tradicional –  seria boa  sem   as   paredes  finas, as discussões ao almoço,  os irmãos  atiçados, o pai bruto. 

Compreendo. Querias um belo e caudaloso  rio.  Sem margens.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXIII)

Uma mancha de café, talvez de tabaco, no braço do sofá. Há anos que sobrevive  à limpeza,  há  séculos que a vês, sempre  que a escondes  com o cotovelo enquanto conversas ou adormeces amodorrado.

É  isso  a memória.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXIII)

A fidelidade é um cão que foge sem coleira  e regressa com ela.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXII)

Sacha Rupert Masoch  foi superior porque percebeu que a maior graça  é o pequeno intervalo sem dor.

Se a alternância fosse rigorosa,  desaparecia o  instante, ou seja, nunca saberíamos o que é  a felicidade.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XXI)

O remorso é o desejo de  fazer tudo de novo, mas sem consequências.

A culpa é sobreviver às consequências.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia (XXI)

A maternidade de substituição é coisa de gente  antiquada.

Uso, compreendam, a definição de D. Alfonso  Reyes: anticuados son los qu se prenden a modas transitorias y pronto se quedan atrás com su modas.

FNV

Com as etiquetas

Minimalia ( XX)

O que é a felicidade?  É o tempo que demora a  chegar  a infelicidade.

FNV

Com as etiquetas