À mesa com a crise (II)

Pão, claro. Melhor fora escuro. Não havendo, vende-se por aí um  de Rio Maior, barato, sem melhorante nem conservantes: rijão, altaneiro, de massa densa e crosta dura. Serve para os açordes com azete.

Pode comer-se duas a três vezes por semana, só ou a acompanhar. A solitária mais simples para uma casa de família, a que preferem cá em casa, é feita com a água de uma cabeça de corvina do mar, mas também  pode usar pescada ou garoupa. Ou só água. Pisa-se o alho,  os coentros e o sal no almofariz ( ou gral) .  Bota-se este piso e o azeite na terrina,  entorna-se a água  a escaldar e as bochechas da corvina.  Pão para dentro, poejos se os houver  e fé na humanidade. Em dias de pressa de morrer,  água ao lume, azeite, dois pedaços de  peixe congelado, concentrado de tomate, uma  colher de massa de alho, oregãos frescos e pão esquartejado e uma bicha de colorau. Sova-se com  a colher de pau, dois ou três  ovos inteiros  desmaiados e para a mesa que os miúdos têm de ir para  a escola.

Os ganhões, conta o  Aníbal Falcato Alves,  tinham imenso sentido de humor. Inventaram o bife à cabreiro: tosta-se o pão velho, esfrega-se com um dente de alho e unta-se com toucinho. O  bife pobre à cabreiro é igual , mas sem toucinho.  Nos dias de hoje, isto é demasiado  pobre. Sugiro igual preparo mas pondo em cima do pão uma febra . Acompanha com uma salada de alface ( no inverno, umas couves  regadas com azeite)  e faz uma  refeição para quatro por menos  de 6 euros.

Aquilino recorda o nome dos beirões  que iam à jorna para o Alentejo: os ratinhos.  O farnel era migas e rabos de  carapau. Lembra-te  disto quando torceres o nariz a uma açorda real rematada com um  queijinho do Cano.

FNV

Com as etiquetas

6 thoughts on “À mesa com a crise (II)

  1. Pedro Gomes diz:

    Excelente, caro Filipe. Com sua licença, partilharei este post (e o primeiro).

  2. fnvv diz:

    sirva-se, sirva-se

  3. henrique pereira dos santos diz:

    O meu comentário seria demasiado extenso para o pôr aqui. Ficou ali: http://ambio.blogspot.pt/2012/09/todo-o-luxo-e-uma-especie-de-degradacao.html

  4. JC diz:

    Sou apreciador de açordas e de pão escuro, mas ainda não me tinha ocorrido misturar ambos. Fi-lo ontem e o resultado foi estupendo. Obrigado.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: